Instituto Ar - Blog Notícias

Desconstruindo 4 fake news climáticas

Artigos
Desconstruindo 4 fake news climáticas
As fake news climáticas são muito difundidas na internet, inclusive por figuras públicas. A confusão gerada por essas falsas informações pode desmobilizar a população no combate das mudanças climáticas. Dessa maneira, esse artigo visa apresentar dados científicos para promover conhecimento e pensamento crítico a respeito do aquecimento global.
A pós-verdade é uma ameaça ao pensamento crítico e ao combate das mudanças climáticas
Vivemos em um momento histórico no qual muitas mensagens e vozes foram amplificadas através da internet. Existe um lado muito bom nisso, pois a história e as demandas de grupos historicamente silenciados ganham cada vez mais visibilidade. Contudo, o lado ruim das mídias sociais é a difusão da pós-verdade. Ou seja, a criação de boatos que são capazes de manipular muitas pessoas e impactar a política internacional.
O filme “Não Olhe Para Cima” exprime muito bem o sentimento de angústia que acompanha a era da pós-verdade. Na obra, uma pesquisadora descobre que um cometa enorme irá colidir com a Terra em 6 meses. Após isso, acompanha-se a saga de dois cientistas que tentam alertar a população da iminente tragédia. A surpresa não é grande, quando ninguém, nem mesmo os governantes, escutam ou acreditam nos dados científicos apresentados pelos pesquisadores. Esse negacionismo científico, como bem apresentado no filme, é resultado de conflitos de interesse econômicos e políticos.
No caso, a emergência climática é uma pauta de interesse global, mas as mentiras contadas no meio virtual podem afetar negativamente a maior conscientização da população acerca do tema e, consequentemente, nos próprios tomadores de decisão que precisam criar ações de combate concretas. Isso porque, a pós-verdade não é apenas uma mentira. É uma mistura de meias-verdades que, muitas vezes, ganham atenção pois são baseadas em medos, preconceitos e crenças pessoais. A seguir, vamos checar, a partir de evidências científicas, 4 fake news climáticas que ganharam repercussão nas redes.
  1. Aquecimento Global não está acontecendo, por isso precisaram mudar o nome para “Mudanças Climáticas”
De acordo com inúmeras pesquisas e com o último relatório do IPCC, as temperaturas médias globais estão aumentando sim, pelo menos desde 1980. A causa desse aumento é de origem humana e vem, principalmente, da queima de combustíveis fósseis e das queimadas. Porém, isso não quer dizer que todos os lugares ficarão mais quentes. Isso porque, os efeitos do aquecimento global podem ser diversos, como:
  1. Aumento do volume de chuvas
  2. Secas mais severas
  3. Invernos mais rigorosos
  4. Tempestades mais fortes

Essas consequências são chamadas de eventos extremos e foram abordadas mais profundamente neste artigo (linkar com artigo sobre os invernos rigorosos).
Além disso, as pessoas tendem a fazer uma confusão entre Tempo e Clima. Por exemplo, a onda de frio que atingiu o Sul e o Sudeste brasileiro no último ano, causou estranhamento em muitos cidadãos. Algumas figuras públicas chegaram até a questionar a validade do aquecimento global. Isso acontece pois não se sabe que Clima é um conceito abrangente, que se propõe a identificar o comportamento das condições da atmosfera em um longo período. Por outro lado, o tempo é um conceito mais limitado, pois refere-se a uma variação climática pontual e regional, no curto prazo. Ou seja, o tempo pode ficar mais frio, o clima não.
Assim, pode-se afirmar que o Clima está sim sofrendo alterações, pois a temperatura do planeta está aumentando. Portanto, o aquecimento global é um evento em andamento. Entretanto, o nome “Mudanças climáticas” pode ser mais conveniente. Especialmente, por ser mais amplo e incorporar outras transformações do clima, resultantes da elevação da temperatura média.
  1. O Sol é responsável pelo aquecimento global
Esse é o tipo de fake news que se mistura com algumas verdades e, por isso, acaba parecendo mais convincente. Contudo, continua sendo uma afirmação falsa. A parte verdadeira dessa informação é que, realmente, o Sol interfere no clima do planeta. Essa interferência ocorre, especialmente, porque esse astro é o principal fornecedor de energia térmica. Outro dado verdadeiro é que em 1930 a luz solar realmente ficou mais forte, o que pode ter elevado a temperatura terrestre.
Por outro lado, o Sol não pode ser considerado o responsável pelo aquecimento global, pois como foi concluído no último relatório do IPCC, a causa é antropogênica, ou seja, decorre da atuação do homem no meio. Ademais, o gráfico abaixo demonstra que é falsa a ideia de que a luz solar ficou mais forte nas últimas décadas. Desde 1950, a atividade do Sol na Terra tem ficado mais fraca, enquanto as temperaturas médias globais continuaram subindo. Ou seja, pode-se inferir que o Sol não tem relação direta com as mudanças climáticas.
Para informações mais detalhadas sobre o impacto da energia solar no clima da Terra, acesse esse artigo do Max Planck Institute For Solar System Research.
  1. Seres humanos emitem uma parcela muito pequena de CO2 na atmosfera
Essa é outra meia-verdade, que se for tirada do contexto, pode ser facilmente manipulável para desacreditar o aquecimento global. Os seres humanos realmente emitem uma quantidade baixa de CO2 em comparação com processos naturais da terra e do oceano. A quantidade liberada pela humanidade corresponde a cerca de 30 giga toneladas por ano de carbono, enquanto que por processos naturais esse número salta para 780 giga toneladas.
Contudo, é preciso salientar que antes da ação humana, a natureza se encontrava em equilíbrio. Por exemplo, os gases emitidos pelos processos naturais eram ao mesmo tempo absorvidos pelos organismos. Esse equilíbrio manteve os níveis de dióxido de carbono estáveis por cerca de 800.000 anos. Agora, desde a Revolução Industrial, estes níveis estão muito mais altos que o normal. A quantidade de CO2 na atmosfera está aumentando por volta de 15 giga toneladas a cada ano.
Essas informações podem explicar mais uma fake news também: “Aquecimento Global sempre existiu, não é culpa do ser humano”. Bom, conforme apresentado acima, as emissões geradas pela ação humana foram decisivas para o esquentamento do planeta. Porém, como as outras informações falsas, essa também tem uma parte verdadeira. Sim, a Terra já passou por outros momentos de esfriamento e aquecimento. Contudo, nunca em uma velocidade tão intensa. Assim, os dados referentes à quantidade de carbono na atmosfera indicam que essa aceleração se dá devido à atividade antropogênica.
  1. Todas as previsões dos cientistas falharam
Enfim, essa fake news é baseada, principalmente, na falta de conhecimento da população a respeito do trabalho de cientistas. A grande parte das pessoas não sabe como uma pesquisa científica é realizada. Basicamente, a ciência é feita de perguntas e muitas dúvidas. A complexidade dos assuntos pesquisados é tão grande e cheia de variáveis que há pouco espaço para certezas absolutas. Assim sendo, é previsível a existência de estudos conflitantes. Por exemplo, é verdade que alguns estudos publicados na década de 70 estudos previram o resfriamento da Terra. Contudo, na mesma época, existiram 6 vezes mais estudos antecipando o aquecimento. O gráfico abaixo demonstra essa informação:

Ou seja, novamente uma meia-verdade foi utilizada para manipular a opinião pública e negar o aquecimento global. Felizmente, a partir de uma pesquisa rápida na internet, é possível perceber que a vasta maioria das pesquisas climáticas concordam a respeito do aquecimento global. Em 2021, por exemplo, o já citado relatório do IPCC trouxe com precisão a causa do aumento das temperaturas.
Conclusão
É preciso que as pessoas se eduquem a respeito do negacionismo climático e suas consequências. Além disso, todos nós precisamos aprender a rejeitar esse tipo de informação e focar em compartilhar informações verdadeiras e de qualidade! Quando você encontrar algum conteúdo absurdo, ofensivo ou mentiroso na internet, não engaje, não comente e não compartilhe. Procure dar foco e atenção para matérias comprometidas com a luta contra as mudanças climáticas. Como essa, por exemplo.
Portanto, o que acha de espalhar a palavra e mandar esse texto para pessoas próximas? Só é possível derrubar a pós-verdade com conhecimento e coletividade. Para ler mais artigos parecidos com esse, clique aqui (linkar página de artigos). Ou então, se você quiser apoiar financeiramente o Instituto de Saúde e Sustentabilidade (ISS), clique aqui (link para doar). O ISS é pioneiro no assunto impactos da urbanização na saúde. Nós temos uma vasta produção de conhecimento acerca do tema. Saiba mais sobre a nossa produção de conhecimento nesse link.
Outra maneira de ajudar é compartilhando nossos conteúdos em suas redes sociais. Converse com pessoas próximas, estude, questione e apoie coletivos que buscam construir um mundo mais saudável para todos!