Instituto Ar - Blog Notícias

Se a Terra sempre mudou de temperatura, por que os seres humanos são responsáveis pela crise climática?

Artigos
Se a Terra sempre mudou de temperatura, por que os seres humanos são responsáveis pela crise climática?

A percepção das mudanças climáticas

Se você mal consegue enxergar as estrelas no céu, como espera perceber o clima mudando?

Essa pode parecer apenas mais uma pergunta provocativa, mas ela vai além disso. Ela sugere o quanto estamos distantes da Natureza, a ponto de não perceber o próprio céu, como também a velocidade assustadora que o clima está mudando. Por isso, para começar a leitura desse artigo, é importante que você perceba o impacto do seu entorno na sua própria visão de mundo.

O que eu quero dizer com isso?

Resumidamente, as condições do ambiente que você vive interferem diretamente nas suas opiniões, percepções e, inclusive, prioridades. Ou seja, se você vive em uma metrópole, possui pouco ou nenhum contato com ambientes naturais, dificilmente irá perceber as alterações climáticas e, talvez, até duvidará da existência delas. Por outro lado, se você é uma pessoa que mora em uma área rural, costeira ou ambientalmente mais preservada, o colapso climático é possivelmente mais visível para você. Pode-se dizer que esse distanciamento do mundo natural e, portanto, das consequências da destruição ambiental é tanto um sintoma como um dos motivos do colapso climático.

Essas questões são abordadas no documentário “O Amanhã é Hoje". Nele, pessoas em diferentes localidades no Brasil são entrevistadas com base em um ponto comum: todas elas são diretamente afetadas pelas mudanças do clima. Além disso, esses indivíduos também dividem a experiência de viverem em maior contato com a Natureza, seja morando no sertão ou no litoral, por exemplo. A partir disso, a consciência e percepção delas a respeito dos impactos ambientais é próxima e concreta, pois é baseada em suas próprias vivências. Por exemplo, um dos entrevistados é pescador e, portanto, depende diretamente da temperatura da água para conseguir pescar. A temperatura, por sua vez, está ligada ao clima. Ou seja, para ele as mudanças climáticas são percebidas cotidianamente.

Mas afinal, qual é a parcela de responsabilidade humana nesses impactos?

A Terra é um organismo vivo e, portanto, em constante transformação. Porém, o que denuncia a origem antrópica nas mudanças climáticas é a velocidade desse processo. Porém, é muito difícil perceber esse processo acontecendo se estamos fechados em nossos apartamentos ou escritórios nas cidades grandes. Isso não quer dizer que ele é menos real ou não está afetando outras pessoas.

No entanto, graças aos cientistas do clima, não é necessário viver no meio do mato para ter certeza que as mudanças climáticas estão ocorrendo. Basta acessar os últimos relatórios do IPCC para concluir que o clima não está apenas mudando em rápida velocidade, como o principal motivo é a ação humana.

A velocidade das alterações do clima

Segundo o último relatório do IPCC, todas as últimas quatro décadas bateram recordes de máximas temperaturas. Isso indica um aumento de mais de 1ºC desde o período pré-industrial. Essa elevação pode parecer pequena, mas para o equilíbrio ecológico 1ºC pode significar habitats inteiramente degradados, animais e plantas extintos e cidades passando por inundações e severa falta de comida, por exemplo.

As evidências científicas do colapso climático

Uma das questões ambientais que evidenciam o aumento da temperatura é o nível do mar. As evidências demonstram que desde 1900, o nível do mar subiu mais rápido do que em qualquer outro período nos últimos 3.000 anos. Além disso, as concentrações de CO2 (gás carbônico), CH4 (metano) e N2O (óxido nitroso), os três principais gases de efeito estufa, são as maiores em 800 mil anos. No que diz respeito às concentrações de CO2, não foram identificados níveis tão altos há pelo menos 2 milhões de anos atrás.

Além disso, a subida da temperatura global desde 1970 foi mais rápida do que em qualquer outro período de 50 anos nos últimos dois milênios. Inclusive, desde 2011 as temperaturas excedem as do último período quente longo, 6.500 anos atrás, e se igualam às do período quente anterior, 125 mil anos atrás, quando o manto de gelo da Groenlândia quase desapareceu. Nesse sentido, o derretimento de geleiras atual, com quase todos os glaciares do mundo recuando ao mesmo tempo desde os anos 1950, é o mais acelerado em 2.000 anos.

No gráfico abaixo, é possível observar essas transformações:

Diante desses acontecimentos, é possível concluir com numerosas evidências científicas que a ação humana é o principal motivo do rápido aquecimento do planeta Terra. Agora, a questão que se levanta é: existe algo que possa ser feito em resposta à ameaça ecológica?

O que o cenário de crise climática nos pede enquanto sociedade?

Estamos passando por um desafio nunca enfrentado antes. Nossos ancestrais não precisaram pensar em estratégias para mitigar os impactos da destruição ambiental. Por isso, é necessário pensar em novas formas de se organizar para combater esse problema. Algumas das atitudes que podem auxiliar a humanidade no enfrentamento das mudanças climáticas são:

  1. Cooperação e coordenação internacional

Primeiramente, é necessário entender que vivemos em um delicado equilíbrio ecológico e que uma atividade poluidora pode gerar impacto em outras localidades, como um efeito dominó. Por exemplo, a fumaça resultante das queimadas na Amazônia em 2020 viajou na atmosfera por quilômetros e chegou a afetar pelo menos cinco países vizinhos — Peru, Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai. Abaixo, a fotografia da fumaça vista pelo satélite do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

Assim, uma vez que a ameaça ecológica, especialmente no que diz respeito ao colapso climático, não reconhece fronteiras, é preciso pensar em resoluções globais. Para isso, consensos e acordos internacionais, como a Convenção sobre a Poluição Atmosférica Transfronteiriça a Longa Distância, são de extrema importância. Esse acordo foi assinado em 1979 por 32 países europeus, Estados Unidos e Canadá. A princípio o intuito era combater a chuva ácida, mas atualmente é um modelo de cooperação ambiental entre países, pois une cientistas e formuladores de políticas para resolver outros inúmeros problemas que atravessam fronteiras.

  1. Estreitamento das relações locais

Quando se trata de mitigação das mudanças climáticas, as ações eficazes virão a partir de alianças globais. Contudo, as relações locais também carregam sua importância para resolver o problema. Por exemplo, se unir a grupos que atuam em favor do Meio Ambiente equilibrado, conhecer a linha de produção dos produtos que você consome e diminuir a distância entre produtor e consumidor são exemplos de estreitamento das relações locais.

  1. Senso de urgência

Diferente de outros problemas globais, como a possibilidade de uma guerra nuclear, a mudança climática é uma realidade presente. Documentários como “O Amanhã é Hoje" apresentam pessoas e grupos que já são afetados por ela, cotidianamente. Além disso, cada vez mais nos aproximamos de um ponto de inflexão, em que mesmo uma redução significativa na emissão de gases do efeito estufa não será suficiente para evitar as inundações, ondas de calor intenso, invernos rigorosos, falta de comida e grandes fluxos de refugiados resultantes das alterações do clima.

Por essas razões, consideramos que o senso de urgência é um atributo essencial para mitigar os efeitos do colapso ambiental. Essa postura é capaz de engajar pessoas na causa, tornar esse assunto mais presente no debate público e, a partir dessa relevância, viabilizar caminhos coletivos para resolução do problema.

O Instituto Saúde e Sustentabilidade é pioneiro em tratar questões ambientais e seus impactos na saúde. Para ler nossas publicações, basta clicar nesse link. Porém, se você quer ler mais artigos simples como esse, clique aqui.

Nós também estamos no Instagram e no Facebook. Outra maneira de ajudar é fazendo doações ou compartilhando nossos artigos em suas redes sociais. Converse com pessoas próximas, estude, questione e apoie coletivos que buscam construir um mundo mais saudável para todos.